A importância de manter os treinos domiciliares durante o isolamento social
23/04/2020
Angelo Novarini
Atleta Angelo Novarini
25/04/2020
Exibir tudo

Uma viagem na história do Blog Viajar Correndo

Viajar correndo

Já que não podemos viajar por aí, vamos juntos numa viagem pela história do Blog Viajar Correndo

 

Olááá! Tudo bem? Eu sou Carolina Belo, do Blog Viajar Correndo e estou muito feliz por estar aqui no Todo Mundo Corre novamente, voltando com força total.

Viajar Correndo

Corrida Paris-Versailles, a Grande Classique

A ideia seria continuar falando sobre algum assunto relacionado à viagem para correr. No entanto, penso que isso não cabe no período em que estamos vivendo.

Importante ressaltar que isso não significa que nunca mais viajaremos de novo. Claro que iremos. Mas não será por agora. Nada impede de continuarmos a sonhar, de imaginar… Mas vamos adiar um pouco esses sonhos!

Como não sabemos quando isso vai acontecer novamente e também como acredito que este momento está sendo um aprendizado, resolvi mudar um pouco o foco, por enquanto. Aprendizado porque estamos tendo a oportunidade de repensar nossos hábitos, sairmos do automático e vivermos no presente.

Então, a Roberta deu uma ideia interessante… Como nunca tinha tido a oportunidade de contar para vocês a história do Viajar correndo e de como eu “vim parar” aqui no Todo Mundo Corre, este post de retomada desta nova fase seria ideal.

Sendo assim, senta que lá vem história (mas é uma história dinâmica, você nem vai se cansar!)…

O Viajar correndo foi “fundado” em 2015. Mas o seu embrião começou cinco anos dessa data, quando eu decidi duas coisas: fazer uma nova faculdade e querer começar a correr… Afinal, essas decisões, que aconteceram em 2010, mudaram a minha vida totalmente…

Em 2010, comecei a faculdade de turismo. Eu já era formada em Biologia, mas achei que essa faculdade iria acrescentar positivamente na minha vida. Nesse mesmo ano, ouvi em uma propaganda no rádio que haveria uma corrida e caminhada para ajudar a arrecadar fundos para as pesquisas sobre o câncer de mama. Achei a proposta interessante e fiz a minha inscrição e a de meu pai.

 

Viajar Correndo

Eu e meu pai na Caminhada pelo Câncer de Mama em 2011

Dia 16 de maio de 2010, estávamos eu e ele aguardando a largada da caminhada que aconteceria após a largada da corrida. Quando eu vi a vibe dos corredores, naquele momento pensei: “quero isso para a minha vida”.

 

Viajar Correndo

Vibe dos caminhantes. Massss, a dos corredores estava incrível também

Isso era um domingo. Cheguei a casa e fui procurar uma corrida para me inscrever. Achei uma, no dia 28 de agosto. No dia seguinte, já estava na academia falando para o professor me treinar porque tinha feito a minha inscrição para uma corrida.

Enquanto treinava para a prova de agosto, continuava meus estudos na faculdade. Uma das atividades do curso foi criar um blog de viagens. E eu criei o Belo Tur. Lá eu escrevia sobre algumas das viagens que fazia. Mas nada com muita frequência, muitas regras ou muito compromisso.

E veio a primeira prova em agosto… Uma corrida noturna e que tinha areia no percurso. Sim!!! Eu não havia lido o regulamento e descobri esse fato no dia em que comuniquei ao treinador que queria correr…

Não consigo me lembrar muito bem de como passei o dia antes de irmos para a corrida. Só consigo me lembrar de uma frase que minha mãe falou enquanto me arrumava:

“Minha filha, não vamos de carro não, porque você pode chegar igual àquela maratonista que chegou torta. E quem vai trazer o carro de volta?”

Ha ha ha ha ha ha, nessas horas que a gente vê as imagens que as pessoas têm da gente! Ela estava falando da maratonista Gabriela Andersen-Schiess que ficou mundialmente conhecida nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, na primeira maratona feminina na história dos jogos.

(Se vocês não sabem do que eu falei acima, deem uma conferida no vídeo abaixo. Ele está em Inglês, mas, mesmo que vocês não entendam, as imagens falam por si. Vale a pena… https://www.olympicchannel.com/en/video/detail/in-their-own-words-marathon-immortality-for-gutsy-andersen-schiess/)

O medo de minha mãe foi desnecessário. Terminei a prova em 51 minutos, correndo o tempo todo. Foi tudo tão lindo que aí foi uma prova atrás da outra…

 

Viajar correndo

Com minha primeira medalha. E inteira!

Por conta da corrida conheci diversos lugares do Brasil e do mundo. Por causa dela, tive a chance de vivenciar experiências inimagináveis na vida…

 

Viajar Correndo

Inclusive correr em um navio

A união de viagens e corridas aconteceu pela primeira vez em 2011, quando viajei para participar da São Silvestre.

 

Viajar Correndo

Na Avenida Paulista, esperando pela largada!

E assim foi, até que, em 2015, fui com Otávio, meu noivo na época, fazer a Maratona Romântica dos Castelos Reais, uma corrida em Füssen, na Alemanha.

Essa cidade é a base para as pessoas visitarem os Castelos de Neuschwanstein e de Hohenschwangau. Então, quase ninguém fica na cidade. Vai de Munique em um bate e volta. E, por isso, tivemos muitas dificuldades para achar hospedagem e dicas de o que fazer na cidade.

 

Viajar Correndo

Maratona Romântica dos Castelos Reais

Por causa dessas dificuldades, decidi reativar o blog com força total. Com um outro nome, com outra ideia, para justamente dar dicas aos corredores que iriam participar de corridas fora de suas cidades. Afinal, uma viagem para correr não é a mesma coisa que viajar para passear somente. Ela tem as suas especificidades e eu falei sobre isso no post Viagem e corrida, uma combinação completamente possível.

Pela corrida conheci muitas pessoas incríveis, inclusive meu marido Otávio. Mas isso a gente fala em outro momento, he he he he… E pela corrida estou aqui no Todo Mundo Corre hoje, falando com vocês, porque tive a oportunidade de conhecer a Roberta.

A gente estava em um mesmo grupo organizando o encontro de blogueiros de corrida. O encontro nunca saiu, ha ha ha ha ha, mas a amizade e parceria ficou. E isso foi o mais importante!

 

Viajar Correndo

Eu e Roberta, na Corrida de São Sebastião

Em 2018, resolvi fazer um curso de guia de turismo. Afinal, a faculdade não foi o que eu esperava que fosse. E, por conta do curso de guia, fui apresentada a uma modalidade de turismo que é tendência no mundo: o running tour.

O running tour é uma modalidade de turismo em que conhecemos a cidade correndo. Aqui no Brasil, a legislação exige que o profissional que conduz esse formato de tour seja guia de turismo cadastrado no Ministério do Turismo.

Vi que havia uma agência no Rio especializada nisso e, como tudo acontece na hora certa, a proprietária da agência recrutou no período em que eu estava finalizando o curso. Só faltava a última prova no curso.

Deu tudo certo e, desde então, trabalho com running tour privativo e em grupo.

 

Viajar Correndo

Um running tour pela Ilha de Paquetá

E até 2018, estivemos firmes e fortes nas publicações todas as quartas e domingos. Em 2019, meu pai faleceu. Entrei em um período de reflexões e de cuidados com minha mãe e, com isso, deixei um pouco de lado as viagens, as corridas, as postagens e as redes sociais.

 

Viajar Correndo

Nós, na Corrida Panamericana

Apesar de o freio ter sido por uma situação triste, as oportunidades de aprendizado que tive nesse período foram absurdas. E assim fiquei até o início deste ano, quando decidi que era hora de retomar a vida.

Tinha várias viagens marcadas para este ano. A primeira delas seria em março para realizar um sonho antigo da minha mãe: conhecer Cascia, na Itália. Essa viagem já havia sido planejada para 2018, mas um mês antes de irmos, meu pai teve o AVC. Viagem adiada para que pudéssemos cuidar dele.

 

Viajar Correndo

Entrada da cidade de Cascia, a cidade de Santa Rita, a santa dos casos impossíveis para os católicos

Como comprei as passagens pelo preço, resolvi olhar se teria alguma corrida lá no período. E eis que, para minha surpresa, era a data da Maratona de Roma.

Eu não pretendia mais fazer maratonas, porque, afinal, é preciso ter muito tempo, dedicação e compromisso para treinar. Mas como não havia a opção de meia maratona, vamos lá. Afinal, é Roma, né?

Treinei super direito, pois o tempo era curto para me preparar e não podia me dar ao luxo de perder treinos. Mas, tivemos que adiar mais uma vez esse sonho dela.

Também cancelamos a que iríamos correr a Wings for Life em Munique e a de Brasília.

É super triste, mas temos que ver este momento como um período de oportunidades de crescimento. Por exemplo, o isolamento em casa tem sido extremamente produtivo para planejar as futuras ações.  Apesar de não sabermos como vai ficar, podemos estudar e nos preparar…

Como falei lá no início, este ano, faço 10 anos de corrida e vêm novidades por aí… Convido vocês a acompanharem as novidades a partir de 16 de maio no blog, e nas redes sociais do blog que não são poucas, ha ha ha ha. (Tem para todos os gostos: Instagram, Facebook, YouTube, Twitter e Pinterest) Vamos comemorar juntos esse feito que nem eu imaginava na minha vida!

Blog: https://www.viajarcorrendo.com.br

Instagram ícone Facebook ícone YouTube ícone Twitter ícone Pinterest ícone

 

 

 

Espero que tenha gostado dessa viagem no tempo… A história nem foi tão cansativa assim, né? E vocês? Quais a suas histórias com a corrida? Contem aqui nos comentário! Vou adorar continuar essa conversa!

Até a próxima!

Um super beijo,

Carolina

Carolina Belo
Carolina Belo
Olááá! Eu sou Carolina Belo, um ser “múltiplo”. Isso porque sou Bióloga, Turismóloga e Guia de Turismo. E nessa mistura toda ainda sou viajante e corredora. Gosto muito de escrever, principalmente quando o tema envolve minhas paixões: viagem, corrida e fotografia. Sou uma pessoa feliz...

1 Comment

  1. […] Uma viagem na história do Blog Viajar Correndo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *