Longão
Longão? Dicas para render nos treinos longos
02/03/2017
Dor na panturrilha
Dor na panturrilha: saiba como evitar
30/03/2017
Exibir tudo

Saiba o que é a Escala de Borg e como ela pode ajudar

Escala de Borg

A escala de Borg pode ser utilizada por qualquer atleta, é bastante utilizada nas atividades aeróbicas, principalmente a corrida. 

Existem diversas maneiras de se mensurar e avaliar a intensidade de um treino. Em sua grande maioria, as atividades físicas aeróbias são monitoradas através da resposta da frequência cardíaca. Esse tipo de “feedback” é fundamental para saber se o esforço aplicado à realização daquela atividade está de acordo com o que foi previamente planejado. 

Atualmente, com o avanço da tecnologia já existem diversos tipos de monitores cardíacos eletrônicos. Eles auxiliam fornecendo as informações sobre a Frequência Cardíaca Máxima (FCM). A FCM trata-se do número máximo de batimentos que o coração é capaz de efetuar em um minuto. A FCM está diretamente relacionada ao nível de treinamento de cada pessoa. Quanto mais sedentário for o indivíduo, maior o número de batimentos cardíacos com o mínimo de esforço e quanto mais treinado, maior terá de ser o esforço para que se eleve a FCM. 

Com base na resposta da FCM ao esforço aplicado durante a realização de uma atividade. O Fisiologista sueco Gunnar Borg criou, em 1974, uma escala onde é possível, de forma subjetiva, mensurar o esforço de um atleta com informações da sua própria percepção. A partir daí surgiu a escala de Percepção Subjetiva de Esforço (PSE) ou Escala de Borg. 

A escala de Borg original é uma tabela numerada de 6 a 20, variando de muito fácil a exaustivo. Com o tempo a escala sofreu algumas adaptações e hoje, usualmente no Brasil a tabela recebe uma numeração de 0 a 10, distribuídas da seguinte forma: 

Escala de Borg

A escala de Borg pode ser utilizada por qualquer pessoa, porém ela é utilizada na maioria das vezes para atividades aeróbias, principalmente a corrida. Com a tabela é possível perceber o aumento dos batimentos cardíacos associado a outras variáveis, como o aumento da respiração, a sudorese, a perda da fala e a fadiga muscular. Assim o atleta consegue numerar em qual zona se encontra num determinado momento do treino. 

Apesar de poder ser usada por qualquer pessoa a escala de Borg tem maior aplicabilidade aos treinadores. Pois com ela o treinador é capaz de ter uma resposta do atleta, saber como foi determinada sessão de treinamento  e se cumpriu com o objetivo ou não, possibilitando ajustes. 

É importante ressaltar que as respostas podem sofrer interferências externas, tais como, o clima, o estresse e o cansaço da rotina diária. Então é recomentado que se repita o teste ou o treino em uma outra ocasião na dúvida do feedback relatado. Nunca use a escala de Borg para acompanhamento e montagem de treinos sem a ajuda profissional. Busque sempre a ajuda de um profissional de educação física ou  uma assessoria espacializada. 

Agora que você já conhece e sabe a usar a escala de Borg ficou mais fácil controlar e saber como estão seus treinos. Bons treinos e boas corridas!

Tenha um treinamento individualizado na Todo Atleta Assessoria Esportiva. Acompanhamento online e/ou presencial em Laguna – SC.

Todo Atleta
André Luiz Souza
André Luiz Souza
Responsável técnico e professor da assessoria esportiva Todo Atleta. Pós-graduando ciência da performance humana (UFRJ), graduado em educação física (UFRJ), com curso em treinamento funcional (CEFAN) e curso de treinamento físico militar (CEFAN).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *