Corrida dentro de casa
07/05/2020
Olimpíadas na Guerra
10/05/2020
Exibir tudo

Exercícios físicos e sistema imunológico – COVID-19

Exercícios físicos e sistema imunológico COVID-19

O sistema imunológico humano é uma rede altamente complexa de células e moléculas projetadas para manter o hospedeiro (SER HUMANO) livre de infecções e doenças.

Sabe-se que o exercício tem um impacto profundo no funcionamento normal do sistema imunológico. Atividades físicas de intensidade moderada a vigorosa se enquadram nas diretrizes do ACSM (Colégio Americano de Medicina do Esporte) demonstrando melhorar as respostas imunológicas à vacinação, diminuindo a inflamação crônica de baixo grau e melhorando vários marcadores imunológicos em vários estados de doenças como: Câncer, HIV, Doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade.

A pandemia de COVID-19 em curso levantou muitas questões sobre como os Exercícios Físicos podem nos proteger contra infecções, aumentando a imunidade. Isso está se tornando mais pertinente, pois muitos de nós estamos sem acesso às academias e parques, onde normalmente realizamos rotinas de exercícios e atividades físicas.

Para piorar este contexto, estão presentes os efeitos deletérios conhecidos do isolamento social e do confinamento sobre imunidade do indivíduo. Glicocorticóides, como o cortisol, são elevados durante os períodos de isolamento e confinamento e podem inibir muitas funções importantíssimas do nosso sistema imunológico.

Quando estamos estressados, a capacidade de nossas células T se multiplicarem em resposta a agentes infecciosos é acentuadamente reduzida, assim como a capacidade de certos linfócitos efetores (por exemplo, células NK e células T CD8 +) de reconhecer e matar células em nosso organismo.

Também é de vital importância que nossas células imunológicas mantenham sua capacidade de se reorganizar para que possam “patrulhar” áreas vulneráveis do corpo (por exemplo, o trato respiratório superior e os pulmões) para impedir que vírus e outros patógenos ganhem posição. Esse processo também é importante para minimizar o impacto do vírus e acelerar a recuperação, caso sejamos infectados.

trato respiratório

É de vital importância que nossas células imunológicas mantenham sua capacidade de se reorganizar para que possam “patrulhar” áreas vulneráveis do corpo.

Cada sessão de Exercícios físicos e ou Atividades Físicas, particularmente com características cardiorrespiratórias, mobilizam instantaneamente bilhões de células de defesa, especialmente aqueles tipos de células capazes de desempenhar funções efetoras, como o reconhecimento e a morte de células infectadas por vírus.

As células mobilizadas entram primeiro no compartimento sanguíneo a partir de reservatórios vasculares marginalizados, baço e medula óssea antes do tráfego para órgãos e tecidos linfóides secundários, particularmente para os pulmões e para o intestino, onde pode ser necessária maior defesa imunológica.

As células imunes são mobilizadas com o exercício e são preparadas para travar um combate. Sua recirculação frequente entre o sangue e os tecidos aumentam a vigilância imunológica do hospedeiro, que, em teoria, nos torna mais resistentes à infecção e mais bem aptos para lidar com qualquer agente infeccioso que ganhou posição.

O exercício é especialmente benéfico para os idosos que são mais suscetíveis à infecções em geral e também foram identificados como uma população particularmente vulnerável durante esse surto de COVID-19.

O exercício também libera várias proteínas que podem ajudar a manter a imunidade. Nesse sentido, é de vital importância que tentemos manter nossos níveis de atividade dentro das diretrizes recomendadas.

O exercício não apenas pode ter um efeito direto positivo nas células e moléculas do sistema imunológico, mas também é conhecido por contrariar os efeitos negativos do estresse de isolamento e confinamento em vários aspectos da imunidade.

exercício para os idosos

O exercício é especialmente benéfico para os idosos que são mais suscetíveis à infecções em geral.

Embora atualmente não existam dados científicos sobre os efeitos do exercício sobre os coronavírus, há evidências de que o exercício pode proteger o hospedeiro de muitas outras infecções virais, incluindo influenza. Atualmente, o maior risco de infecção por COVID-19 é a exposição.

É fundamental que encontremos maneiras criativas de nos exercitar, mantendo o distanciamento social e as contramedidas higiênicas adequadas.

Embora o exercício possa não impedir que sejamos infectados se exposto, é provável que manter-se ativo melhore nosso sistema imunológico para ajudar a minimizar os efeitos deletérios do vírus, melhorar nossos sintomas, acelerar nossos tempos de recuperação e diminuir a probabilidade de que possamos infectar outras pessoas. com quem entramos em contato.

MOVA-SE

Rogério Fernandes Ferreira
Rogério Fernandes Ferreira
Palestrante, Nutricionista Clinico Esportivo, Mestre em Ciência da Motricidade Humana,Graduado em Educação Física. Atualmente, Consultor técnico da PMRJ; Treinador de Atividades de Ultra-Endurance; Professor Conferencista - PMRJ; Experiência na Área de Fisiologia do Exercício e Nutrição Esportiva; com ênfase no Treinamento de Alto Rendimento, Treinamento personalizado e Emagrecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *